Minha atuação enquanto terapeuta está apoiada no campo teórico e metodológico da Análise Psico-Orgânica (APO), linha de psicoterapia analítica com mediação corporal.

A APO é reconhecida pela EAP - Associação Européia de Psicoterapia, sediada em Viena. Está inserida no cenário das psicoterapias contemporâneas e foi desenvolvida por Paul Boyessen, fundador da Ecole Française D´Analyse Psycho Organique, que integrou os princípios da psicanálise às psicoterapias corporais.

A APO propõe modelos teóricos e clínicos que articulam as dimensões psíquicas, orgânicas, emocionais e energéticas.

O corpo ganha aqui a dimensão de um sistema complexo que permite o acesso à profundidade do sujeito: seus padrões, dores, traumas e potencialidades. Nos interessamos não apenas pelo relato da história do paciente mas como ele vivencia sua história no corpo que habita. A Análise Psico-Orgânica busca as ligações entre a linguagem verbal (significar a experiência emocional), as imagens do inconsciente (acessar o universo simbólico) e a experiência sensorial e energética. 

No setting terapêutico, são propostos movimentos corporais, respirações, percursos de massagem biodinâmica, relaxamentos, entre outros recursos. 

O processo psicoterapêutico em APO demanda um trabalho contínuo, sistemático, entre a desconstrução de antigos padrões cristalizados e a construção de novos posicionamentos, de novas opções. Desta forma, o sujeito se atualiza permitindo a liberação da sua energia vital, primária, do seu potencial criativo para ser, de fato, sujeito de sua transformação.